Congelamento de Óvulos

Por que o congelamento está sendo muito usado hoje em dia

Meu nome é Armindo Dias Teixeira. Hoje nós vamos falar sobre a preservação da fertilidade. A preservação da fertilidade está ganhando cada vez mais espaço nos dias atuais, a sociedade está mais moderna e as mulheres estão engravidando, por uma série de razões, cada vez mais tarde. Só que a questão biológica continua igual. Nós falamos em um vídeo anterior sobre reserva ovariana: CLIQUE AQUI

Nós sabemos que essa reserva, fisiologicamente, vai diminuindo com o passar do tempo. Onde as mulheres vão tendo um número menor de óvulos e uma diminuição também da qualidade desses óvulos, diminuindo portanto as suas chances de engravidar espontaneamente.

Então o que nós temos hoje para oferecer essas pacientes é a preservação da fertilidade do ponto de vista médico e a preservação da fertilidade do ponto de vista social.

VEJA TAMBÉM: Como é Feito o Congelamento de Embriões Óvulos Sêmen e Tecidos 

Preservação da fertilidade

Então o que é isso?

Preservação da fertilidade do ponto de vista médico

São nas pacientes jovens que têm algum tipo de câncer. Felizmente hoje com o avanço da medicina, existem muitos tipos de câncer que tem um ótimo prognóstico, a paciente vai se tratar, vai ficar bem. Mas cujo tratamento eventualmente podem interferir na fertilidade, principalmente pacientes que precisam ser submetidas a algum tipo de quimioterapia, que vão destruír suas células germinativas e vão destruir os óvulos.

Então nessas pacientes que sofrem o câncer, que tem o diagnóstico de câncer e que dependendo do tipo nós temos algum tempo para trata-las,  o ideal é que essa paciente faça essa preservação.

Veja como é feita essa preservação AQUI.

No caso de pacientes que não tem um parceiro, o que nós podemos fazer é o congelamento de óvulos. Já em pacientes que têm um parceiro nós podemos fazer o congelamento de embriões e após a paciente fazer o seu tratamento começar a pensar na questão da fertilidade.

Uma coisa muito importante é interação  da equipe de reprodução humana com os oncologistas, quando se recebe um diagnóstico de câncer é sempre uma coisa muito preocupante, totalmente compreensível, onde muitas vezes a própria paciente não vai se preocupar naquele momento com a questão da fertilidade. Mas este papel é do médico, papel do ginecologista, papel do oncologista tocar nesse assunto.

Qual o seu interesse futuro em engravidar? No seu caso a gente pode recorrer algumas técnicas para que você após o tratamento tenha garantido a sua fertilidade futura.

Preservação da fertilidade por questões sociais

A outra questão de preservação da fertilidade seria a questão social. As mulheres hoje estão inseridas muito fortemente no mercado de trabalho, estão adiando cada vez mais a sua maternidade e quando vão pensar nesse assunto, por volta dos 40 anos de idade. E nós sabemos que por volta dos 40 anos de idade o número de óvulos, fisiologicamente, já está diminuído, a sua qualidade principalmente também está diminuindo. Então essas pacientes, nós temos que orientar as pacientes que estão fazendo uma carreira, estão estudando e naquele momento por uma série de motivos não podem engravidar, que façam o congelamento de óvulos.

No caso das pacientes que não tem parceiro e no congelamento de embriões daquelas mulheres que são casadas, mas que naquele momento por algum motivo não estão podendo engravidar e querem adiar a maternidade. Então o ideal para quem vai congelar óvulos ou fazer algum procedimento de reprodução humana que faça até os 35 anos de idade, que é a idade mais indicada, cuja indicação é mais precisa.

Passou dos 35 anos de idade e não fez por algum motivo. Sempre melhor fazer o quanto antes, do que deixar o tempo passar e chegar em um momento onde a reserva fisiologicamente se esgotou e já não existe mais o que fazer.

Se você gostou do nosso vídeo de um like e se inscreva no nosso canal para continuar recebendo informações sobre os nossos vídeos.

 

 

 

 

 

Entre em contato

Doutor Armindo Dias Teixeira

Médico ginecologista formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e especialista em medicina reprodutiva e cirurgia minimamente invasiva.

WhatsApp Entre em contato via Whatsapp