Papanicolaou (Colpocitologia oncótica)

O que é?

O exame Papanicolaou (Colpocitologia oncótica), recebeu esse nome em homenagem ao médico grego Geórgios Papanicolau (1883-1962). Ele criou esse método em 1940 e era considerado como o pai da citopatologia.

Cientificamente o exame de Papanicolaou recebe o nome de Colpocitologia Oncótica. Também é conhecido como esfregaço cérvico-vaginal, e popularmente é chamado de exame preventivo.

Isso porque o ideal é que todas as mulheres com idade entre 21 e 65 anos (aproximadamente) realizem esse exame pelo menos uma vez ao ano para prevenir o câncer de colo de útero. O principal objetivo é coletar e analisar em microscópio células do colo do útero para verificar se há a presença de células cancerosas ou outros problemas.

Embora seja indicado que o preventivo seja realizado pela mulher uma vez ao ano, a frequência pode variar para cada país, e também em função dos resultados anteriores do mesmo exame.

Caso a mulher tenha algum problema é preciso uma frequência maior para que o médico possa avaliar o seu quadro de saúde. Para aquelas que não apresentam alterações, pode ser que o médico indique uma frequência menor de realização, como a cada 2 anos.

Esse exame não é doloroso, não exige anestesia e nem mesmo sedação. A paciente pode sentir um desconforto em função do uso do espéculo para dilatar o canal vaginal, e pela raspagem do colo uterino com a espátula.

Indicação

O exame de Papanicolaou (Colpocitologia oncótica), é indicado para todas as mulheres que estão em idade fértil e são sexualmente ativas. Não é preciso que ela apresente algum tipo de sintoma para realizá-lo, porque a intenção do exame é verificar precocemente a presença de um quadro anormal.

Trata-se de um exame exclusivo de colo de útero, portanto, realizado somente por mulheres. O foco principal do Papanicolaou (Colpocitologia oncótica), é analisar se há presença de células malignas, porém, ele também diagnostica inflamações, infecções e DSTs (doenças sexualmente transmissíveis).

Os resultados desse exame ajudam no diagnóstico de:

  • candidíase;
  • sífilis;
  • HPV;
  • gonorreia;
  • clamídia;
  • gardnerella;
  • tricomoníase, e outros.

Esse exame também pode ser realizado em mulheres virgens se for preciso. Nesse caso, o médico adota um procedimento diferente, porque utiliza um espéculo de tamanho especial, e ao invés de coletar as amostras com a espátula, utiliza um cotonete.

Não há contraindicação da realização de Papanicolaou (Colpocitologia oncótica), por mulheres grávidas. Isso porque o exame é seguro nessa condição e não apresenta nenhum tipo de risco para mãe ou bebê, muito menos pode causar complicações na gravidez.

O que não é recomendado é a realização do exame quando a paciente estiver menstruada. A descamação do útero interfere no resultado, então, o ideal é que o procedimento seja realizado até uma semana antes da menstruação ou 10 dias depois da interrupção do fluxo menstrual.

Procedimento

Para que o exame de Papanicolaou (Colpocitologia oncótica), seja realizado é preciso, então, que a mulher esteja no período certo do seu ciclo menstrual para não interferir no resultado. Também é necessária uma preparação prévia com alguns cuidados 3 dias antes da data agendada, sendo:

  • evitar relações sexuais com ou sem preservativo;
  • evitar o uso de duchas vaginais;
  • não fazer a aplicação de cremes ou medicamentos vaginais;
  • não agendar exames ginecológicos de toque próximo à data do Papanicolaou (Colpocitologia oncótica).

No dia do exame a paciente deve despir-se das roupas da parte de baixo do corpo e permanecer deitada em posição ginecológica. O médico inicia o exame observando a vulva (Vulvoscopia), para analisar se há presença de alguma infecção, de DST ou doenças autoimunes.

Essa observação é feita com o colposcópio, um equipamento que aumenta as imagens cerca de 10 a 40 vezes. Depois dessa análise ele inicia o exame do colo do útero, e para conseguir ter boa visualização, utiliza o espéculo para dilatar o canal vaginal.

Em seguida ele introduz no canal uma espátula específica para o exame, que possui uma escovinha em sua extremidade. Com ela, o profissional faz a coleta do material para análise, esfregando gentilmente o instrumento no colo do útero.

Esse processo não é doloroso, mas pode incomodar um pouco. Por isso, o ideal é que a mulher relaxe para reduzir a tensão do corpo e sentir-se mais confortável durante o exame. As células coletadas na raspagem do colo do útero são colocadas em uma lâmina para análise em microscópio.

Essa lâmina é identificada com os dados da paciente e encaminhada para o laboratório a fim de que um médico citologista a observe e identifique as células. Quando há alguma alteração, o material é analisado também por um citopatologista, a fim de identificar que tipo de célula estranha está presente no material coletado.

Entre 3 e 14 dias o resultado do exame está pronto, e pode ser classificado com normal ou possuir alguma alteração.

O exame normal traz, entre outros dados, a descrição da flora microbiológica da região examinada. Ele pode descrever algum tipo de infecção se forem encontradas células de defesa, e nesse caso, o exame apresenta qual é o micro-organismo invasor.

Quando o exame apresenta resultado anormal ele indica a presença de alterações nas células escamosas, e recebe classificação conforme o tipo de problema identificado, como ASC-US e ASC-H.

Essas alterações nem sempre indicam a presença de células cancerosas, porque na maioria dos casos é uma condição benigna que pode ser tratada com sucesso. Quando as alterações indicam a presença de células malignas o médico solicita novo exame para ter um diagnóstico preciso.

A grande vantagem do exame de Papanicolaou (Colpocitologia oncótica), é ser eficaz para diagnosticar o câncer de colo de útero ainda no começo. Isso porque essa doença não apresenta sintomas quando ainda em estágio inicial, mas por meio do exame podemos diagnosticá-la e tratá-la.

O câncer de colo de útero se inicia com a presença de células pré-cancerosas, ou seja, aquelas que podem evoluir para o câncer. Então, se isso é observado no começo, a mulher é tratada e curada. O Papanicolaou (Colpocitologia oncótica), é um exame barato, simples e eficaz, que pode salvar a vida de milhares de mulheres todos os anos.